[TIMEBRA] 4 maneiras de economizar em custos de TI no ciclo de vida do ativo [Parte 4: Aposentadoria e descarte]

Bem-vindo à parte final de nossa série sobre economia em custos de TI no ciclo de vida do ativo. No post anterior, falamos sobre como cortar custos durante a manutenção e suporte. Hoje, veremos a aposentadoria e o descarte, bem como maneiras de economizar durante esta fase.

A fase de retirada do ciclo de vida do ativo pode ser complicada, porque os gerentes de ativos precisam julgar com precisão o prazo para quando um determinado ativo está pronto para ser retirado. No caso de ativos problemáticos que quebram com frequência, a decisão é bastante direta.

As coisas ficam mais complicadas em situações em que os usuários afirmam que uma estação de trabalho está desatualizada depois de algum tempo de uso, digamos por exemplo, 4 anos. Por um lado, você pode ter uma gerência tentando economizar custos de TI fazendo os ativos durarem mais, enquanto, por outro lado, você tem usuários exigindo atualizações. É uma situação difícil de estar, especialmente quando você não tem as métricas certas à sua disposição.

A tendência geral na maioria das empresas de grande escala é fazer com que as estações de trabalho durem cerca de 4 a 5 anos, enquanto os servidores geralmente são mantidos em serviço por aproximadamente 10 anos. No entanto, essas práticas podem não se adequar a todas as organizações. Portanto, a decisão sobre quando desligar quais ativos é frequentemente realizada com base na intuição individual, e não com base em um conhecimento adequado.

O relatório de idade média dos ativos em uso do Analytics Plus mostra o período médio de serviço dos ativos em várias categorias. Como este relatório se baseia no uso histórico de ativos na respectiva organização, pode ser uma medida mais apropriada e prática em comparação com os padrões gerais da indústria. As equipes de TI podem usar esse relatório como um medidor para determinar quando um ativo específico está pronto para descarte e garantir que não o descarte antes de cumprir sua vida útil completa em serviço.

O percentual de depreciação é outro aspecto que deve receber atenção na fase de descarte. Isso dá às equipes de TI uma ideia do grau em que os ativos de TI perderam valor durante sua vida útil.

Os servidores adquiridos de diferentes fornecedores com padrões de desempenho, uso e ciclos de vida semelhantes podem ter diferentes porcentagens de depreciação. Da mesma forma, dispositivos móveis e outros dispositivos portáteis podem se depreciar em vários graus com base na marca e na configuração. Os gerentes de ativos podem usar essas informações para procurar ativos que se depreciam menos desde o momento da compra.

Esses relatórios foram criados usando o Analytics Plus, a solução de analytics de TI da ManageEngine, que oferece integrações prontas para uso com vários aplicativos de TI populares, como ServiceNow, Jira Software, Zendesk, como também os softwares de TI da ManageEngine

Conheça na prática e na realidade de sua empresa o que nossas soluções ACSoftware|ManageEngine podem fazer por você. Contamos com um portfólio extenso para gerenciamento de TI.
Com soluções para segurança de TI, gerenciamento de acesso e identidade (Active Directory), gerenciamento de endpoints, IT help desk e gerenciamento de serviços de TI (monitoramento de rede, banda e análise de tráfego), gerenciamento de operações de TI (Network e Server), gerenciamento de aplicativos e muito mais.

Conte sempre com o apoio da equipe ACSoftware, sua revenda e suporte ManageEngine no Brasil.

Participe agora mesmo do grupo TIMEBRA dedicado aos usuários ManageEngine no Brasil, que tem a intenção de criar uma comunidade para troca de experiências, esclarecer dúvidas, bem como ficar por dentro de dicas e novidades.

ACSoftware revenda e distribuidora ManageEngine no Brasil. – Fone / WhatsApp (11) 4063 9639.

PodCafé da TI – Podcast, Tecnologia e Cafeína.

Deixe um comentário